Fisioterapia pode ser alternativa para cirugia de síndrome do túnel do Carpo

Share on facebook
Share on pinterest
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

A cirurgia é uma abordagem comum no tratamento da síndrome do túnel do carpo, no entanto, um tipo específico de fisioterapia vem funcionando bem, de acordo com uma nova pesquisa.

O estudo demonstra a eficácia da fisioterapia, assim como uma operação padrão para melhorar o braço, punho e dor. Além disso, um mês depois, os pacientes com fisioterapia tiveram um desempenho melhor do que os pacientes da cirurgia.

“Precisamos da fisioterapia como um método terapêutico para quase todos os pacientes” contou o autor do estudo Cesar Fernandez de Las Penas.

“Se o tratamento conservador falhar, a cirurgia será a próxima opção” disse las penas, professor de fisioterapia da Universidade Juan Carlos em Alcorcon, nem Espanha. “Também poderia ser um benefício adicional da cirurgia”.

A síndrome do túnel do carpo ocorre quando o nervo mediano é comprimido na altura do punho. Um dos motivos mais recorrentes é o uso do computador por causo do seu esforço repetitivo. Os sintomas são gerados lentamente, com os pacientes relatando dormência e fraqueza nas mãos e pulsos.

Segundo o Instituto de Saúde dos EUA, uma cirurgia para essa condição geracional envolve o corte do ligamento ao redor do antebraço para reduzir a pressão nos nervos médios.

Para este estudo, Las Penas e seus colegas acompanham 100 mulheres de Madri que tiveram síndrome do túnel do carpo. Metade foi tratada com fisioterapia e outra com cirurgia.

pulso imobilizado por conta de síndrome do túnel do carpo | cirugia

Durante três semanas os pacientes tiveram 30 minutos de terapia manual por semana. Os terapeutas focaram no pescoço e no nervo médio. Eles também usaram o manual de fisioterapia nos ombros, cotovelos, pulsos e dedos. Nos pacientes, foram designados exercícios para efetuarem em suas casas..

Um mês depois, o grupo de terapia aumentou a função diária e o “poder de ajuste” entre o polegar e o dedo indicador em comparação com os pacientes no momento da cirurgia. No entanto, houve melhorias em ambos os grupos após três, seis e 12 meses. 

Todos os participantes experimentaram contrações semelhantes à dor.

“O uso da fisioterapia, independente da severidade e da condição ajuda no sintomas e no pós cirúrgico”, disserta Joshua Cleland, professor de fisioterapia da Universidade Franklin Pierce, Rindge em New Hampshire, descobriram que 38% das pessoas no grupo de terapia terapêutica tinham síndrome do túnel do carpo “grave”.

“Essa técnica manual de fisioterapia é usada aqui nos EUA e deve ser o padrão de prática para fisioterapeutas que usam pacientes com síndrome do túnel do carpo”, disse Kland.

O Dr. Daniel Polatsch é co-presidente do Centro de Força e Pulso de Nova York no Hospital Lenox Hill, em Nova York. Todos os anos, são tratados centenas de casos de síndrome do túnel do carpo, sendo necessários entre 15 e 20 procedimentos cirúrgicos.

Polatsch disse que o tratamento deve ser determinado em cada caso. Em casos leves, pode ser tratado por métodos conservadores, incluindo splint, injeção, terapia e alterações de atividade. “A cirurgia é necessária quando o pulso está comprimido ou os músculos estão fracos ou cercados”, disse ele.

Ainda assim, como operações podem ter complicações. “Cerca de 25% das pessoas que se submeteram a cirurgia para síndrome do túnel do carpo estão em tratamento com metade das análises de cirurgia adicionais”.

Além disso, mais de trinta pessoas não podem trabalhar novamente após duas semanas de recuperação. Os autores do estudo indicam, como existe apenas um pequeno estudo focado em mulheres, as pesquisas futuras devem investigar homens.

Os resultados do estudo foram publicados na Revista de Fisioterapia Esportiva e Ortopédica em março, pelo Dr. Alex Jimenez DC, CCST | Quiropraxia.

Você também vai gostar de:

Deixe um comentário

Selecionados Para Você

Enfoque analítico sobre túnel do carpo

Ocupando lugar de destaque nas estatísticas de doenças do trabalho registradas pela Previdência Social, por entidades de Saúde como Centros de Referências (Cerests), sindicatos e em pesquisas acadêmicas, as chamadas Lesões por Esforços Repetitivos/Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (LER/DORT) seguem deixando uma legião de incapacitados e um rastro de dúvidas que vai da própria denominação de metodologias de diagnóstico relativas ao nexo causal com os ambientes laborais.

Leia o artigo completo

 
 

Flavonóides

Flavonóide é o nome dado a um grande grupo de fitoquimicos ou fitonutrientes, que são polifenóis de baixo peso molecular, encontrados em diversas plantas. É encontrado em várias frutas e vegetais em geral, assim como em alimentos processados como chá e vinho.

Leia o artigo completo

 
 

Fundamentos de Fisioterapia

O Fisioterapeuta foi considerado durante muito tempo como um técnico ou mesmo um auxiliar médico, completamente submisso a este. E por esse motivo poderia ter um currículo mais simples. Nos E.U. A estes profissionais eram denominados “auxiliares da reconstrução” e muitos foram treinados para irem para a guerra, prestar auxílio. Será essa a única competência do profissional em fisioterapia?

Leia o artigo completo

Últimos Posts

Inscreva-se na Newsletter

Não perca nossa newsletter e fique por dentro de todas as novidades e oportunidade fresquinhas direto no seu email.